Governo de Trump alerta que “se Maduro usar a violência, seus dias estarão contados”

Circula nas redes sociais nesta quinta-feira (24), uma montagem com a foto do presidente dos Estados Unidos, Donald Trump, e a frase “Todas as opções estão na mesa se Maduro resistir. E se Maduro usar a violência, seus dias estarão contados”.

Houve realmente este comunicado, porém não desta maneira como se fossem uma única frase dita por alguém. Entenda:

“Todas as opções estão na mesa”

Na última quarta-feira (23), em um ato na Casa Branca, esta frase foi dita por Trump durante seu posicionamento que reconheceu Juan Guaidó, líder da oposição e presidente da Assembleia Nacional da Venezuela, como presidente interino do país sul-americano.”Em seu papel como o único ramo legítimo do governo devidamente eleito pelo povo venezuelano, a Assembléia Nacional invocou a constituição do país para declarar Nicolás Maduro ilegítimo, e o cargo da presidência, portanto, vago”, disse Trump.

Ao ser perguntado pelos jornalistas sobre se planeja alguma operação militar na Venezuela, Trump respondeu que possíveis medidas podem ser tomadas caso Maduro se recuse a sair do poder: “Não estamos considerando nada (em particular), mas todas as opções estão sobre a mesa”.

“Se Maduro usar a violência, seus dias estarão contados”

Através de uma teleconferência com jornalistas, um funcionário de autoridade sênior do governo norte-americano alertou Maduro para que não use a força contra membros da oposição no país: “Se Maduro e seus camaradas optarem por responder com violência, se escolherem prejudicar qualquer um dos membros da Assembleia Nacional ou qualquer um dos funcionários legítimos do governo da Venezuela, todas as opções estarão à mesa para os EUA, no que diz respeito às ações a serem tomadas”. A postura condiz com o pronunciamento de Trump.

Depois, a autoridade acrescentou que “os EUA preferem uma transição pacífica para o novo governo. Mas se ele (Maduro) optar pela violência, nós temos um leque de opções. E seus dias estarão contados”.

Donald Trump aproveitou a ocasião e pediu que outros governos do continente também reconheçam Guaidó como líder interino da Venezuela. Posteriormente, o Brasil e países como Colômbia, Equador, Peru e Canadá também deram sinal verde.

Jair Bolsonaro recorreu as redes sociais para mostrar seu posicionamento a favor do presidente interino. Depois, ele realizou um pronunciamento à imprensa internacional ao lado do Presidente da Colômbia, Ivan Duque, da Vice-Presidente do Peru, Mercedes Araoz, e da Ministra das Relações Exteriores do Canadá, Chrystia Freeland. Ambos reconheceram o processo de transição democrática na Venezuela. Confira: