Unicamp confirma primeiro caso de hepatite em decorrência do uso de Kit Covid

Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com caixa de cloroquina na mão (Foto: Reprodução/Twitter)
Presidente Jair Bolsonaro (sem partido) com caixa de cloroquina na mão (Foto: Reprodução/Twitter)

O Hospital das Clínicas da Unicamp (Universidade Estadual Paulista) comprovou o primeiro caso de hepatite medicamentosa relacionada ao uso do Kit Covid nesta quarta-feira (24). 

+Secretaria de Saúde de São Paulo nega mortes por falta de oxigênio em UPA na Zona Leste

O kit de medicamentos sem eficácia comprovada ficou famoso após o presidente Jair Bolsonaro (sem partido) e membros do Ministério da Saúde defenderem o uso dos medicamentos para combater a doença viral. O conjunto é composto por remédios como azitromicina, hidroxicloroquina e ivermectina. 

Em entrevista à EPTV de Campinas, a médica da seção de transplante hepático do Hospital, Ilka Boin, explicou como fez o diagnóstico: “Ele [o paciente] chegou com uma síndrome de doença hepática pós-Covid. Mas quando analisamos, vimos que não se enquadrava muito bem na síndrome. Tinha alterações específicas e analisamos a biópsia. Era, na verdade, uma hepatite medicamentosa que causou a destruição dos dutos biliares, e o paciente tinha usado somente, nos últimos quatro meses, remédios do ‘Kit Covid'”.

Fachada do Hospital da Universidade. (Foto: Reprodução/Governo Do Estado de São Paulo)
Fachada do Hospital da Universidade. (Foto: Reprodução/Governo Do Estado de São Paulo)

O paciente é um homem de 50 anos, sem histórico de doenças e reside na cidade de Indaiatuba, interior de São Paulo. Ele usou azitromicina, hidroxicloroquina, ivermectina, zinco e vitamina D. 

Ilka alertou que o paciente terá que passar por um transplante de fígado e disse que outras duas pessoas morreram com os mesmo sintomas antes do estudo terminar ou de realizar o transplante de órgãos: “Até semana passada, a gente só tinha esse caso. Da semana passada para cá, nós já soubemos de mais quatro”.