USP nega que “imunidade de rebanho” seja eficiente contra o COVID-19

De acordos com os pesquisadores, essa ideia de deixar com que as pessoas se contaminem com o COVID-19 para desenvolver algum controle contra a doença não é eficaz, já que contrair o vírus não garante imunidade (Foto: Unsplash)
De acordos com os pesquisadores, essa ideia de deixar com que as pessoas se contaminem com o COVID-19 para desenvolver algum controle contra a doença não é eficaz, já que contrair o vírus não garante imunidade (Foto: Unsplash)

A Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP), divulgou nesta última quarta-feira (31) uma nota fazendo duras críticas contra a imunidade coletiva, também chamada de ‘imunidade de rebanho’, como forma de controlar a covid-19.

++Biomédica desmente fala do ministro Onyx Lorenzoni sobre o coronavírus

De acordos com os pesquisadores, essa ideia de deixar com que as pessoas se contaminem com o COVID-19 para desenvolver algum controle contra a doença não é eficaz, já que contrair o vírus não garante imunidade.

“Ao contrário, as condições de intensa e contínua transmissão favorecem a aparição de novas variantes do vírus”, declarava uma parte do documento. A nota da faculdade ainda continua e afirma que essa ideia vai contra a OMS, que já definiu que uma imunidade coletiva não é uma opção a ser considerada, pois envolve várias razões, tanto científicas quanto éticas e jurídicas.

“Trata-se de uma estratégia que implica no sofrimento, em sequelas e mortes que poderiam ser evitadas caso um governo cumprisse seu dever de conter a propagação do vírus, prevista no Regulamento Sanitário Internacional”, disse a nota.

A USP foi bem clara na nota divulgada que não defendiam nem apoiavam essa ideia de imunidade coletiva. A faculdade ainda reforçou que a própria OMS não essa questão como uma opção para controlar a pandemia do novo coronavírus. Porém esse assunto tem sido levantado nas redes sociais e algumas pessoas carecem de informações sobre o assunto.

++Bolsonaro nega desavença com Arthur Lira: “Não tem problema”

Vale lembrar que a Faculdade de Saúde Pública da Universidade de São Paulo (USP) é referência em todo país, e segue fazendo grandes pesquisas em volta do COVID-19 para tentar saber mais sobre esse vírus que já fez milhares de vítimas ao redor do mundo inteiro.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.