À CPI, Ministério da Saúde admite ineficácia do Kit Covid

Em documentos enviados à CPI da Covid, o Ministério da saúde voltou atrás e reconheceu a ineficácia do “Kit Covid” contra o coronavírus. Apesar de não terem tido sua eficácia comprovada cientificamente em nenhum momento, os medicamentos do Kit Covid têm sido defendidos pelo presidente Jair Bolsonaro para o tratamento precoce do vírus desde o início da pandemia.

+ Após especulações, Deolane Bezerra nega uso de drogas e dispara: “O processo vem”

Segundo a Comissão Nacional de Incorporação de Tecnologias no Sistema Único de Saúde (Conitec), “alguns medicamentos foram testados e não mostraram benefícios clínicos na população de pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados, sendo eles: hidroxicloroquina ou cloroquina, azitromicina, lopinavir/ritonavir, colchicina e plasma convalescente.”

“A ivermectina e a associação de casirivimabe + imdevimabe não possuem evidência que justifiquem seu uso em pacientes hospitalizados, não devendo ser utilizados nessa população”, acrescenta o texto.

Após ter contraído o vírus da Covid-19, Jair Bolsonaro afirmou ter sido medicado com remédios do Kit Covid e declarou que ele “salva vidas”. A médica oncologista Nise Yamaguchi, apontada como membro do “gabinete paralelo” de Bolsonaro também defendeu os medicamentos, desaprovados pelas organizações de saúde.