Casal é preso por tentar vender filha recém-nascida por R$ 9 mil, em Salvador

Caso foi descoberto no fim da manhã desta quinta-feira (15). De acordo com a Polícia Civil, a menina chegou a ser registrada em cartório como filha de outra pessoa. (Foto: Unsplash)

Um caso chocante de tráfico humano foi revelado nesta quinta-feira (15) por políciais em Salvador. Um casal foi preso em flagrante por suspeita de tentar vender a própria filha por R$ 9 mil, na capital baiana. Os prováveis compradores também foram detidos. O caso foi descoberto no fim da manhã de hoje, quando mãe e filha receberam alta médica de uma maternidade da capital.

45 nomes que sempre viram apelidos para ver como seu bebê será chamado de verdade

A recém-nascida foi resgatada pelo Conselho Tutelar e pela Delegacia de Repressão a Crimes contra a Criança e o Adolescente (Dercca). O bebê nasceu na última terça-feira (13). A delegada da Dercca responsável pelo caso, Simone Moutinho, detalhou que a denúncia foi feita na última sexta-feira (9).

EUA comprovam com novos dados que pouquíssimas pessoas totalmente vacinadas foram infectadas pela Covid

“Recebemos uma denúncia anônima de que uma senhora estava prestes a dar à luz, e que ela daria a criança para um casal. Então, iniciamos as investigações”, conta.

Segundo a Polícia Civil, a mãe negociou o a venda do bebê com um casal de São Paulo, através de uma rede social. Os dois homens vieram até Salvador para concluir o acordo. A menina seria vendida por R$ 15 mil, porém, o valor passou para R$ 9 mil ao final da negociação.

Os prováveis compradores chegou a registrar a criança como pai após entrar na unidade de saúde junto com a mãe e fazer a certidão de nascimento em cartório, com o sobrenome dele. Quando os dois estavam saindo da maternidade, foram presos em flagrante.

Os investigadores localizaram o pai biológico e o outro homem envolvido na negociação. Segundo a delegada, os quatro estavam de acordo com a venda da menina e sabiam do falso registro de nascimento. Ela disse ainda que acionou a Polícia Federal para investigar uma possível rede de comercialização ilegal de bebês.

“A negociação foi feita por meio de grupo em um aplicativo de conversação. Existem vários grupos feitos para comercialização de bebês, e esse caso será acompanhado também pela Policia Federal”, informou.

De acordo com a informação da polícia, o homem que fez a certidão de nascimento da menina deve responder criminalmente por registrar como dele o filho de outra pessoa. Ele e o companheiro foram presos, assim como os pais do bebê, que foram autuados com base no Artigo 238 do Estatuto da Criança e do Adolescente, que trata sobre o ato de prometer ou efetivar a entrega de filho a terceiros mediante pagamento.

A identidade de todos os envolvidos foi preservada. A recém-nascida foi acolhida pelo Conselho Tutelar e foi encaminhada para a Organização do Auxílio Fraternos, por determinação judicial.

A delegada ressalta que quem não deseja criar o filho, deve entregá-lo para a doação, pelos meio legais da Justiça.

“Esse tipo de ‘adoção à brasileira’ dá margem ao tráfico internacional de crianças, ao tráfico de órgãos infantis, e também a prostituição infantil. Precisamos falar sobre isso com a sociedade, fazer esse alerta. Entregar o filho à adoção é o único jeito de dar uma proteção efetiva para essas crianças”, conclui.