EUA comprovam com novos dados que pouquíssimas pessoas totalmente vacinadas foram infectadas pela Covid

As vacinas ofereceram proteção poderosa contra o coronavírus na cidade de Nova York, atenuando a segunda onda do vírus e salvando cerca de 8.300 vidas entre dezembro do ano passado e julho deste ano, de acordo com um novo estudo feito pelos epidemiologistas da Universidade de Yale divulgado pela cidade nesta quarta-feira (14).

Justiça nega pedido de Flordelis para deixar de usar tornozeleira eletrônica

O estudo ressaltou que o desempenho das vacinas no mundo real pode atender e até mesmo exceder os resultados dos testes na prevenção de casos de vírus, hospitalizações e mortes, disse a cidade. Apenas 1,1 por cento dos 500.300 casos de vírus durante os primeiros seis meses deste ano foram entre pessoas que foram totalmente vacinadas, de acordo com dados do departamento de saúde da cidade também divulgados nesta quarta-feira (14) em apoio ao estudo.

Butantan desmente médico que afirmou não ter produzido anticorpos após tomar a CoronaVac: “Desserviço”

No entanto, os dados também eram um lembrete de que a proteção não era perfeita. Um total de 94 nova-iorquinos totalmente vacinados morreram do vírus entre janeiro e meados de junho, em comparação com 8.069 mortes entre os não vacinados, informou a cidade, embora não incluísse informações demográficas específicas.

“As vacinas são seguras e surpreendentemente eficazes para proteger você e seus entes queridos”, disse o comissário de saúde da cidade, Dr. Dave A. Chokshi, em um comunicado que acompanha o lançamento do estudo. “As apostas são muito altas, e simplesmente não podemos enfatizar o suficiente como é urgente para os nova-iorquinos serem vacinados.”

Uma advertência importante é que a maior parte do período do estudo foi antes de a variante Delta se tornar a variante predominante na cidade, de acordo com a quantidade limitada de análises genéticas de casos sendo feitas pela cidade a cada semana. Estudos sugerem que as vacinas permanecem eficazes contra a variante Delta, embora os casos entre aqueles que são vacinados tendam a ser leves ou assintomáticos, disse o cientista-chefe da Organização Mundial da Saúde nesta semana. Por causa das vacinas, os especialistas em saúde não esperam que o recente aumento de casos atinja os níveis observados na primeira e na segunda ondas da cidade de Nova York.

A proteção das vacinas continua poderosa. Uma análise da Public Health England, que ainda não foi revisada por pares, mostrou que a vacina Pfizer-BioNTech foi 88 por cento eficaz contra doenças sintomáticas e 96 por cento eficaz contra hospitalização por Delta, apenas ligeiramente menor do que contra as variantes mais antigas. Moderna também relatou estudos iniciais mostrando apenas uma “redução modesta” da proteção do anticorpo contra a variante Delta.

Os dados divulgados na quarta-feira representaram a análise mais abrangente até agora sobre infecções revolucionárias na cidade de Nova York. Ao todo, a cidade informou que cerca de 5.300 pessoas totalmente vacinadas foram infectadas e 583 pessoas totalmente vacinadas foram hospitalizadas em Nova York com Covid-19 entre janeiro e junho.

O quadro é mais completo do que o que está sendo divulgado nacionalmente, pois incluiu casos leves, enquanto os Centros de Controle e Prevenção de Doenças disseram que está rastreando apenas infecções sérias que resultam em hospitalizações ou mortes.

Muito mais pessoas vacinadas, no entanto, evitaram a doença. O estudo de Yale, que foi feito independentemente dos pesquisadores da cidade, usou modelagem estatística para estimar que a campanha de vacinação da cidade evitou cerca de 250.000 casos na cidade de Nova York e 44.000 pessoas de serem hospitalizadas. O estudo ainda não foi publicado e acaba de ser submetido à revisão por pares, disse a cidade.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.