Caso Lázaro: fazendeiro acusado de esconder Lázaro Barbosa nega ter acobertado criminoso

O fazendeiro Elmi Caetano Evangelista, de 74 anos, foi preso e se tornou réu sob acusação de acobertar o fugitivo Lázaro Barbosa, perseguido durante 20 dias no interior de Goiás. Um mês após a captura e morte do assassino, Elmi decidiu quebrar o silêncio, alegando que ele e sua família vêm sendo “massacrados” depois que sua prisão foi divulgada pela mídia.

++ Justiça solta dono da fazenda, acusado de ajudar Lázaro Barbosa

Fazendeiro nega ter acobertado assassino

Em entrevista à Record TV, nessa quinta-feira (12), Elmi negou que tivesse dado abrigo a Lázaro e afirmou que sequer o conhecia, contrariando o depoimento de seu caseiro, Alain de Santana, de 33 anos. O fazendeiro passou mais de 20 dias preso na cadeia pública de Águas Lindas, em Goiás.

Nunca vi esse cara, nunca, nunca. Não conhecia. Vi através da foto que vocês colocaram na televisão, só. Nunca conheci.“, disse Elmi, reforçando que Lázaro nunca esteve em sua propriedade. “Mentira. Invenção da polícia.“, afirmou.

Presos

Alain e o fazendeiro Elmi foram presos na noite do dia 24 de junho de 2021. O caseiro, que à época tinha completado apenas 21 dias trabalhando para Elmi, disse em depoimento que Lázaro teria passado cinco dias no local com a autorização do dono.

++ Viúva de Lázaro Barbosa nega relação com fazendeiro Elmi Caetano

O caseiro havia dito, ainda, que não avisou a polícia por medo do criminoso e do patrão. Segundo ele, o o próprio Elmi ordenou que não deixasse a polícia entrar na chácara, o que o fazendeiro nega ser verdade.

Eles andaram tudo aqui, a polícia. Eu disse a eles: ‘estejam à vontade, fiquem à vontade. Eu andei com eles aí várias vezes. Com eles, o major Serra, o capitão Braga? Nunca impedi que a polícia entrasse“, garante Elmi.

Injustiçado

Fui injustiçado. Estou sendo injustiçado. Eu e minha família estamos sendo massacrados. Eu sou um coitado, aposentado. Não consigo nem pagar um caseiro“, afirmou ainda o dono da fazenda.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.