Antony deixa uma impressão imediata na Premier League inglesa

A mudança para a Premier League física inglesa a fim de se juntar a um dos maiores clubes do futebol mundial na forma do Manchester United por uma quantia enorme de £85 milhões com apenas 22 anos de idade vem com muita pressão, mas isso não pareceu incomodar Antony quando ele fez sua estreia contra os velhos inimigos dos Red Devils, o Arsenal. 

Lançado diretamente para o 11 inicial por Erik dez Hag poucos dias depois de sua transferência do Ajax do lado holandês, Antony colocou o Old Trafford em cena ao quebrar o impasse, apenas 38 minutos depois de sua primeira aparição no Manchester United – travando o passe de Marcus Rashford com um belo gol de primeira viagem, abrindo seu corpo para passar por Aaron Ramsdale. 

Foi com certeza um começo de sonho para o manhoso ponta-de-lança, que se encaixou no sistema do Ten Hag instantaneamente. Mas é importante que nós não nos antecipemos já. Muitos seguidores da primeira divisão inglesa vão se lembrar da estreia de Anthony Martial contra o Liverpool após seu dia limite de transferência de Mônaco para Old Trafford por 36 milhões de libras em 2015, o que o tornou o adolescente mais caro do mundo na época. 

O jovem atacante francês teve um início igualmente enfático, marcando em sua estreia contra o Liverpool para causar a mesma fanfarra no noroeste da Inglaterra. No entanto, Martial nunca correspondeu realmente às suas expectativas em Old Trafford e agora com sete anos de carreira no Manchester United, parece cada vez mais provável que ele nunca o fará. 

Esperemos que não seja o caso de Antônio – que espera representar o Brasil na Copa do Mundo no final deste mês no Qatar, que a Seleção é a favorita para vencer com esta casa de aposta. O jogador de 22 anos já se esquivou do fardo das pessoas que o chamam de superfaturamento, e ele estará ansioso para continuar depois daquela abertura contra os Gunners.

Enquanto Antony tinha seus duvidadores após a jogada, é claro que Ten Hag – que o administrou anteriormente em Amsterdã – tinha plena confiança em sua nova assinatura, pois o jogou diretamente no fundo do poço para começar contra o Arsenal – talvez uma jogada arriscada, já que ele só se juntou a novos colegas de equipe cerca de quatro dias antes e os Gunners eram o time em forma, mas funcionou. 

“Acho que todos nós vimos que ele é uma ameaça”, disse o holandês, que justificou sua decisão de começar Antony antes do jogo, depois.

“Perdemos um jogador na ala direita, porque todos os jogadores que podem jogar lá, como Jadon Sancho, como Marcus Rashford, preferem mais o centro ou o lado esquerdo”.

“Agora, temos aquele que pode jogar muito bem na ala direita”. Esse foi um elo que faltava”.

É claro que Antony precisa garantir que ele continue a jogar ao mais alto nível de forma consistente se quiser entrar na seleção brasileira para a Copa do Mundo. Às vezes é fácil ter uma boa estreia devido às emoções e a adrenalina que correm pelo sistema, mas ele agora tem que provar que não foi uma estreia fora de série e ele pode ser um componente crucial para o Manchester United nos próximos anos.