Caixa desmente que Bolsonaro tenha imposto sigilo em cachê de Gusttavo Lima

7

Recentemente, a Caixa Econômica Federal divulgou um comunicado desmentindo que o valor do cachê que o sertanejo Gusttavo Lima ganhou participando do comercial da “Mega da Virada”, em 2020, tivesse sido colocado em sigilo de 100 anos pelo Governo Bolsonaro.

++ Eduardo Bolsonaro é flagrado na Copa do Mundo e recebe críticas de apoiadores

Caixa Econômica desmente que Bolsonaro impôs sigilo no cachê de Gusttavo Lima na “Mega da Virada”

Segundo a assessoria do banco, a divulgação dos valores da publicidade foi feita em domínio público. Conforme o Portal da Transparência do Governo Federal, a Caixa Econômica Federal desembolsou mais de R$ 10 milhões na propaganda, mas sem detalhar os gastos.

Os valores pagos de cachê são divulgados em até 90 dias após a finalização.“, ressaltou logo a princípio o banco através de uma nota envida a imprensa. “Mensalmente, são detalhadas as principais informações sobre a execução dos contratos, cumprindo o princípio da transparência ativa, em linha com as práticas legais da administração pública.“, informou ainda.

Apoiador de Bolsonaro

O músico de 33 anos é apoiador público de Bolsonaro e amigo íntimo de Renan Bolsonaro. Pouco antes do final do segundo turno das eleições presidenciais de 2022, o sertanejo surgiu ao lado do ex-presidente, em Brasília, acompanhado de outros cantores do meio. Na ocasião, os famosos fizeram um apelo aos fãs pelo voto do político do PL.

++ Gusttavo Lima fala sobre deixar o país após derrota de Bolsonaro

Relembre

O ‘Embaixador’, como popularmente é conhecido, também é um dos nomes investigados por cachês superfaturados em shows realizados sem licitação por prefeituras em vários estados do Brasil. O cantor já se defendeu das acusações de possíveis irregularidades através de um vídeo ao vivo no Instagram.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.

Não deixe de curtir nossa página  no Facebook  , no Twitter e também  no Instagram para mais notícias do PaiPee.