As estrelas do “Al-Hilal” – Quem foi convocado pelo clube mais premiado da Arábia Saudita?

109

As estrelas do “Al-Hilal” já existiam antes de 2023, embora em raros momentos. Por exemplo, nos anos 70, campeões mundiais do Brasil fizeram aparições. Em 1976, o futebol saudita amadureceu o suficiente para criar um campeonato nacional. O “Al-Hilal” venceu a primeira edição da Premier League e rapidamente se firmou como um dos grandes clubes. Mantenha-se a par de todos os eventos desportivos com o seu parceiro de confiança 1win.

Desde então, o “Al-Hilal” tem atraído estrangeiros talentosos. Em 1978, o vencedor da Copa do Mundo de 1970, Roberto Rivelino, se juntou ao clube, e o treinador foi Mário Zagallo, que venceu dois campeonatos mundiais consecutivos com o Brasil (1958 e 1962). Com eles, o clube conquistou o segundo título em 1979.

Em 2019, o “Al-Hilal” contratou Sebastian Giovinco do “Toronto” por 6 milhões de euros. Na Arábia Saudita, ele marcou 16 gols e fez 19 assistências em 83 jogos, e em 2022, ele partiu para jogar na “Sampdoria”.

O “Al-Hilal” tentou atrair jogadores estelares com grandes somas de dinheiro no inverno de 2021 – ofereceram a Diego Costa um contrato de 2,5 anos com um salário total de 17 milhões de euros após sua saída do “Atlético”, mas a transferência não se concretizou. No inverno de 2022, eles tentaram Pierre-Emerick Aubameyang – também sem sucesso.

No verão, o “Al-Hilal” realmente entrou em ação.

O “Al-Hilal” queria Cristiano Ronaldo antes do “Al-Nassr”, mas as restrições de transferência impediram. E no verão, eles tentaram convencer Messi. Lembra-se de quando, no verão de 2022, Cristiano Ronaldo pediu para sair do “Manchester United” após não se classificar para a Liga dos Campeões? Na época, diziam que o português poderia ir para a “Roma” ou o “Napoli”, mas publicamente todos negaram esses rumores.

Em agosto, surgiu algo inesperado – o The Athletic relatou que houve apenas uma proposta por Cristiano Ronaldo, e foi do “Al-Hilal”. Mas naquele momento, a mudança para a Arábia Saudita não estava nos planos de Cristiano – ele queria jogar na Liga dos Campeões. Um mês depois, o presidente do “Al-Hilal”, Fahad bin Nafel, confirmou o interesse e disse que o acordo fracassou devido às restrições de registro de novos jogadores: “Sim, tivemos negociações com Ronaldo. O problema não estava no dinheiro nem nos princípios. O “Al-Hilal” é capaz de assinar com estrelas mundiais, mas tudo se resumiu à decisão de proibir o registro de novos jogadores. Apesar disso, não paramos de negociar com os jogadores, mas adiamos a fase final das transferências até que as restrições fossem suspensas”.

Em uma entrevista ao Piers Morgan, Ronaldo confirmou que recebeu uma oferta enorme, mas não revelou de qual clube: “Sim, houve uma oferta muito grande, isso é verdade. A imprensa escreve muita bobagem de que ninguém me quer. Isso está completamente errado. Eu estava feliz no “MU”, estava pronto para ter uma ótima temporada. Mas a imprensa continua a escrever que ninguém quer o Ronaldo. Como alguém pode não querer um jogador que marcou 32 gols na temporada passada, incluindo pela seleção de Portugal? É difícil resistir [ao dinheiro], mas eu achava que era feliz no “MU” e ainda era capaz de marcar muitos gols e ajudar o time”.

O “Al-Hilal” não desistiu nem mesmo no inverno, apesar das restrições de registro de novos jogadores continuarem em vigor. Mesmo assim, o clube conversou com Ronaldo e estava disposto a fazer uma “proposta louca”, mas acabou sendo superado pelo “Al-Nassr”.

Perdendo Ronaldo, o “Al-Hilal” não se deteve. Em janeiro, o site catalão Mundo Deportivo divulgou uma bomba: o “Al-Hilal” queria contratar Lionel Messi por 300 milhões de dólares por ano. O clube confirmou rapidamente a notícia. “Seria como contratar Cristiano Ronaldo. Não é apenas uma história sobre o clube e o jogador, é um movimento que pode mudar todo o cenário. Todos os clubes sauditas estão prontos para dar um passo gigantesco”, disse o presidente do “Al-Hilal”, Fayad Al-Mofari.

As apostas aumentaram – primeiro para 350 milhões de euros por ano, depois para 400 milhões. O jornalista do El Chiringuito, Jaime Astrain, até afirmou que Messi estaria disposto a se juntar ao “Al-Hilal” se eles pagassem mais do que Ronaldo. O jornalista Romain Molina afirmou que o “Al-Hilal” tinha como objetivo trazer Messi para reviver a rivalidade com Cristiano.

Em maio, a transferência de Messi para o “Al-Hilal” parecia cada vez mais real – alguns veículos de mídia já consideravam isso como uma questão resolvida. Em seguida, o site francês Foot Mercato divulgou: ofereceram a Messi 1,2 bilhão de euros por 2 anos, e o pai de Messi aceitou essa oferta, e o próprio jogador também estava inclinado a fazer a mudança.

Outros clubes, como o “Barcelona” e o “Inter Miami”, também estavam disputando por Messi. Apesar das enormes ofertas dos sauditas, Messi escolheu a MLS. “Se fosse apenas sobre dinheiro, eu teria ido para a Arábia Saudita ou para qualquer outro lugar”, explicou Messi após a transferência. “A quantia do contrato com o ‘Al-Hilal’ era muito grande, e a verdade é que minha decisão foi tomada por outras razões, não por dinheiro.”