“Nada foi fácil pra mim”, diz Flávia Alessandra

29

Neste último domingo (09/06), o jornal “Extra” publicou uma entrevista com Flávia Alessandra, que recentemente completou cinco décadas de vida. Na ocasião, a atriz falou sobre diversos assuntos e relembrou o caminho que trilhou para chegar aonde está. De acordo com a artista, ela sofreu muito machismo no início de sua carreira artística.

++ Flavia Alessandra revela a importância de Faustão em sua carreira: “Tive minha vida mudada”

Flávia Alessandra garante que não é diferente daquilo que as pessoas veem na Televisão

Apesar de já ter dado vida a várias personagens nas telinhas, Flavia garante que não é muito diferente daquilo que as pessoas veem na TV: “Não existe uma personagem, uma encenação. Eu sou essa pessoa que veem na televisão, sou de verdade. Acredito que não haja uma decepção quando me conhecem, uma percepção diferente de mim. Eu amo o que eu faço. Claro que todo mundo tem seus dias ruins, mas tento ser a mais honesta possível.“, garantiu em um trecho do bate-papo.

Atriz relembra trajetória profissional: “Nada fácil”

A esposa de Otaviano Costa foi revelada através de um concurso no “Domingão do Faustão”, ela foi escalada logo em seguida para a novela “Top model”, em 1989. O estrelato foi alcançado apenas oito anos depois, ao viver a doce Dorothy em “A indomada” (1997). Mas a primeira protagonista de verdade só chegou em 2001 com “Porto dos Milagres”, exibida no horário nobre da televisão. Mas a carreira de sucesso da mãe de Olívia e Giulia foi, segundo a própria, fruto de muito esforço. Inclusive, ela destacou que passou por provações para chegar aonde está: “Nada foi fácil para mim.“, declarou.

++ Flávia Alessandra desabafa sobre etarismo: “Muito triste”

Flávia diz que já sofreu muito machismo no início da carreira: “Batalha”

Na época, ainda casada com Marcos Paulo, pai de sua primogênita, ela era alvo de comentários machistas, que associavam seu sucesso ao fato de ser a esposa do diretor: “Toda minha carreira foi sempre muito difícil, muito suada. Talvez por isso eu nunca tenha me deslumbrado, sabendo que tudo é passageiro, que amanhã tudo pode acabar. A gente batalha para ser a mocinha, depois precisa fazer uma passagem para ser mãe… A gente vai se encaixando para não perder o bonde e ficar para trás.“, completou na sequência.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.

Não deixe de curtir nossa página  no Facebook  , no Twitter e também  no Instagram para mais notícias do PaiPee.