Barcelona, Veneza e mais cidades enfrentam problema com turismo em massa

18

A pandemia do coronavírus produziu mais uma consequência tardia: aumentou a lista de cidades europeias que adotaram regras para tentar controlar o fluxo avassalador de turistas depois do auge da crise sanitária.

++ Carros afetados por enchentes no RS são vendidos por até 60% do valor em leilões

Com isso, o turismo de massa na Europa pode estar entrando em agonia. Agora é Barcelona que se revolta. O prefeito anunciou que vai proibir aluguéis por temporada para combater a falta de moradias.

Assim, essa medida, segundo a associação de proprietários, não vai resolver a crise. Os aluguéis, em geral, aumentaram quase 70% na última década. Mas, de acordo com a associação, os de curto prazo representam apenas 1% de todas as unidades.

++ Pedestre espera mais de 4 minutos para semáforo abrir, mostra estudo

Veneza vem tentando de todas as maneiras evitar ser devorada pelo turismo de massa. A cidade flutuante recebeu, em 2023, 20 milhões de turistas em uma área de 5 km² e que conta com 49 mil leitos turísticos. Veneza se tornou a primeira grande cidade do mundo a cobrar pela entrada – cinco euros – quase R$30.

A saber, 2023 foi um ano recorde para o turismo italiano com 70 milhões de visitantes estrangeiros. Bom para os cofres do país, mas não tão bom para os cobiçados monumentos – como o Pantheon – que lutam para encontrar um equilíbrio entre as recompensas econômicas e os enormes fluxos de turistas.

Não deixe de curtir nossa página  no Facebook  , no Twitter e também no Instagram para mais notícias do PaiPee.