Turismo internacional poderá ser retomado em breve com passaporte de vacinação, diz secretário

Uma das ordens executivas do presidente Biden pede às agências governamentais que “avaliem a viabilidade” de vincular os certificados de vacina contra o coronavírus com outros documentos de vacinação e produzir versões digitais deles. (Foto: Unsplash)

Entre os governos e aqueles da indústria de viagens, um novo termo entrou no vocabulário: passaporte para vacinas.

Uma das ordens executivas do presidente Joe Biden pede às agências governamentais que “avaliem a viabilidade” de vincular os certificados de vacina contra o coronavírus com outros documentos de vacinação e produzir versões digitais deles.

O governo dinamarquês disse nesta quarta-feira (3) que iria introduzir um “passaporte digital” nos próximos meses, que pode ser usado como prova de vacinação.

Ilha da Tailândia cria plano para receber turistas sem quarentena

Em algumas semanas, duas companhias aéreas, Etihad Airways e Emirates, começarão a usar um passe de viagem digital, desenvolvido pela International Air Transport Association, (IATA) que, entre outras coisas, fornece às companhias aéreas e aos governos a documentação de que os passageiros foram vacinados ou testados para o coronavírus.

O desafio é criar um documento ou aplicativo universal que proteja a privacidade e seja acessível independentemente da riqueza das pessoas ou do acesso a smartphones.

O governo dinamarquês disse na quarta-feira que iria introduzir um “passaporte digital” nos próximos meses, que pode ser usado como prova de vacinação. (Foto: Divulgação)

“Trata-se de tentar digitalizar um processo que acontece agora e transformá-lo em algo que permita mais harmonia e facilidade, tornando mais fácil para as pessoas viajarem entre países sem ter que retirar documentos diferentes para países diferentes”, disse Nick Careen, sênior vice-presidente de aeroporto, passageiros, carga e segurança da IATA, onde lidera a iniciativa de passes de viagem.

A empresa de tecnologia IBM tem desenvolvido seu próprio “passe digital de saúde” para auxiliar no fornecimento de comprovante de vacinação ou teste negativo para aqueles que buscam acesso a um estádio esportivo, um avião, uma universidade ou local de trabalho. O passe, construído com a tecnologia blockchain da IBM, pode usar verificações de temperatura, notificações de exposição a vírus, resultados de teste e status de vacina. O Fórum Econômico Mundial e a Commons Project Foundation, um grupo suíço sem fins lucrativos, têm testado um passaporte digital de saúde chamado CommonPass, que geraria um código QR para mostrar às autoridades.

À medida que mais pessoas são vacinadas, é provável que mais aspectos da vida pública sejam limitados às pessoas que foram vacinadas. No Super Bowl em Tampa, Flórida, que acontecerá no próximo domingo (7), uma parte significativa dos participantes será profissionais de saúde vacinados contra a Covid-19.

Pós-pandemia: Volta ao mundo em 180 dias a bordo de navio já está à venda por R$ 1 milhão

Para viagens internacionais, o governo e as autoridades de saúde precisarão saber se as pessoas foram vacinadas ou se o teste do vírus foi negativo. Muitos países já estão exigindo prova de um teste negativo para o ingresso. Esses passes podem ser essenciais para reiniciar a indústria do turismo, disse Zurab Pololikashvili, secretário-geral da Organização Mundial do Turismo, uma agência das Nações Unidas.

“Um elemento-chave vital para o reinício do turismo é a consistência e a harmonização das regras e protocolos relativos a viagens internacionais”, disse ele por e-mail. “Provas de vacinação, por exemplo, através da introdução coordenada do que pode ser chamado de ‘passaportes de saúde’ podem oferecer isso. Eles também podem eliminar a necessidade de quarentena na chegada, uma política que também impede o retorno do turismo internacional. ”

Mostrar evidências de vacinação não é um conceito novo. Durante décadas, os viajantes para alguns países tiveram que comprovar a vacinação contra febre amarela, rubéola e cólera, por exemplo.

“Os pais com filhos na escola pública tiveram que provar que seus filhos foram vacinados. Isso não é algo novo ”, disse Brian Behlendorf, diretor executivo da Linux Foundation Public Health, uma organização de código aberto com foco em tecnologia que ajuda as autoridades de saúde pública a combater a Covid-19 em todo o mundo.

“À medida que essas coisas acontecem, é importante que os cidadãos perguntem aos governos e às companhias aéreas: como podemos tornar isso mais fácil para que eu tenha um registro de vacinação para reservar um voo, hotel e possa usá-lo para fazer outras coisas”, sr. Behlendorf disse.