EUA destacam críticas às vacinas chinesas, incluindo a CoronaVac, para controle da pandemia

Um reportagem publicada nesta terça-feria (22) no jornal New York Times, considerado um dos jornais mais respeitados e lidos dos EUA, fez duras criticas as vacinas chinesas, incluindo a CoronaVac devido a sua baixa eficácia no controle dos recentes surtos de Covid em países que já vacinaram grande parte da população.

+ Cientistas divulgam relatório sobre a CoronaVac e alertam o Brasil: “países que utilizam a vacina chinesa não conseguirão conter a Covid-19”

A matéria intitulada “Eles confiaram em vacinas chinesas. Agora eles estão lutando contra surtos” descreve inúmeros países, inlcuindo o Brasil, Chile e Argentina, que estão utilizando vacinas chinesas e com elas não estão conseguindo controlar a propagação da doença.

Mais de 90 países estão usando doses de vacinas da China contra a Covid. Especialistas afirmam que infecções recentes nesses locais devem servir de alerta para o esforço global de combate à doença.

A Mongólia prometeu ao seu povo um “verão sem covid”. Bahrain disse que haveria um “retorno à vida normal”. A minúscula nação insular das Seychelles pretendia impulsionar sua economia.

Covid-19 foi ‘criada’ em laboratório na China, concluem cientistas em importante descoberta

Todos os três confiavam, pelo menos em parte, em vacinas chinesas de fácil acesso , o que lhes permitiria lançar programas ambiciosos de inoculação quando grande parte do mundo estava passando por isso .

Mas, em vez de se livrar do coronavírus, todos os três países agora estão lutando contra um surto de infecções .

A China deu início à sua campanha de diplomacia de vacinas no ano passado, prometendo fornecer uma injeção que seria segura e eficaz na prevenção de casos graves de Covid-19. Na época, havia menos certeza sobre o sucesso dessa vacina e de outras vacinas na redução da transmissão.

Agora, exemplos de vários países sugerem que as vacinas chinesas podem não ser muito eficazes na prevenção da propagação do vírus, particularmente as novas variantes. As experiências desses países revelam uma dura realidade diante de um mundo pós-pandêmico: o grau de recuperação pode depender das vacinas que os governos administram ao seu povo.

+ Coronavac tem efetividade menor em quem tem mais de 70 anos, atingindo 42%, dizem cientistas

Nas Seychelles, Chile, Bahrein e Mongólia, 50 a 68 por cento das populações foram totalmente inoculadas, ultrapassando os Estados Unidos, de acordo com o site Our World in Data, um projeto de rastreamento de dados. Todos os quatro foram classificados entre os 10 principais países com os piores surtos de Covid na semana passada, de acordo com dados do The New York Times. E todos os quatro estão usando principalmente injeções feitas por dois fabricantes chineses de vacinas, Sinopharm e a CoronaVac da Sinovac Biotech.

Se as vacinas forem suficientemente boas, não devemos ver esse padrão”, disse Jin Dongyan, virologista da Universidade de Hong Kong. “Os chineses têm a responsabilidade de remediar isso.

Os cientistas não sabem ao certo por que alguns países com taxas de inoculação relativamente altas estão sofrendo novos surtos. Variantes, controles sociais que são facilitados muito rapidamente e comportamento descuidado após apenas o primeiro de um regime de duas tentativas são possibilidades. Mas as infecções revolucionárias podem ter consequências duradouras.

Nos Estados Unidos, cerca de 45% da população está totalmente vacinada, principalmente com doses feitas pela Pfizer-BioNTech e Moderna. Os casos caíram 94% em seis meses.

Israel forneceu injeções da Pfizer e tem a segunda maior taxa de vacinação do mundo, depois das Seychelles. O número de novos casos de Covid-19 confirmados diariamente por milhão em Israel está agora em cerca de 4,95.

Nas Seicheles, que dependiam principalmente da vacina chinesa da Sinopharm, esse número é de mais de 716 casos por milhão.

Disparidades como essas podem criar um mundo em que três tipos de países emergem da pandemia – as nações ricas que usaram seus recursos para garantir a vacina Pfizer-BioNTech e Moderna, os países mais pobres que estão longe de imunizar a maioria dos cidadãos, e em seguida, aqueles que estão totalmente inoculados, mas apenas parcialmente protegidos.

A China, assim como as mais de 90 nações que receberam as doses das vacinas chinesas, podem terminar no terceiro grupo, enfrentando bloqueios contínuos, testes e limites na vida cotidiana por meses ou anos. As economias podem permanecer retidas. E, à medida que mais cidadãos questionam a eficácia das doses chinesas, persuadir pessoas não vacinadas a fazer fila para as injeções também pode se tornar mais difícil.

Um mês depois de receber sua segunda dose de Sinopharm, Otgonjargal Baatar adoeceu e testou positivo para Covid-19. Otgonjargal, um cidadão de 31 anos, passou nove dias em um hospital em Ulaanbaatar, capital da Mongólia. Ele disse que agora estava questionando a utilidade da injeção.

“As pessoas estavam convencidas de que, se fôssemos vacinados, o verão seria livre de Covid”, disse ele. “Agora descobrimos que não é verdade.

No Brasil, são diversos casos de pessoas que tomaram duas doses da CoronaVac e que mesmo assim, contrariam o vírus da Covid-19, vieram a adoecer e alguns até a falecer.

Pequim viu sua diplomacia de vacinas como uma oportunidade de emergir da pandemia como uma potência global mais influente. O principal líder da China, Xi Jinping, prometeu entregar uma dose de vacina chinesa que pudesse ser facilmente armazenada e transportada para milhões de pessoas em todo o mundo. Ele o chamou de “bem público global”.

A Mongólia foi a beneficiária, aproveitando a chance de acertar milhões de doses da vacina da Sinopharm. O pequeno país implementou rapidamente um programa de vacinação e facilitou as restrições. Já vacinou 52% de sua população. Mas no último domingo (20), o país registrou 2.400 novas infecções, um quadruplicar em relação ao mês anterior.

Em um comunicado, o Ministério das Relações Exteriores da China disse não ver uma ligação entre os recentes surtos e suas vacinas. Ele citou a Organização Mundial da Saúde dizendo que as taxas de vacinação em certos países não atingiram níveis suficientes para prevenir surtos e que os países precisavam continuar a manter os controles.

“Relatórios e dados relevantes também mostram que muitos países que usam vacinas feitas na China expressaram que são seguras e confiáveis ​​e têm desempenhado um bom papel em seus esforços de prevenção de epidemias”, disse o ministério. A China também enfatizou que suas vacinas têm como alvo doenças graves, e não a transmissão.

Nenhuma vacina previne totalmente a transmissão e as pessoas ainda podem ficar doentes após serem inoculadas, mas as taxas de eficácia relativamente baixas das vacinas chinesas foram identificadas como uma possível causa dos surtos recentes.

As vacinas Pfizer-BioNTech e Moderna têm taxas de eficácia de mais de 90 por cento. Uma variedade de outras vacinas – incluindo AstraZeneca e Johnson & Johnson – têm taxas de eficácia de cerca de 70 por cento. A vacina Sinopharm desenvolvida com o Instituto de Produtos Biológicos de Pequim tem uma taxa de eficácia de 78,1 por cento ; a vacina da CoronaVac (da fabricante Sinovac) tem uma taxa de eficácia de 51 por cento.

As empresas chinesas não divulgaram muitos dados clínicos para mostrar como suas vacinas atuam na prevenção da transmissão. Nesta segunda-feira (21), Shao Yiming, epidemiologista do Centro Chinês para Controle e Prevenção de Doenças, disse que a China precisava vacinar totalmente de 80 a 85 por cento de sua população para obter imunidade coletiva, revisando uma estimativa oficial anterior de 70 por cento.

Os dados sobre infecções inesperadas também não foram disponibilizados, embora um estudo da CoronaVac (fabricada pela Sinovac) no Chile tenha mostrado que a vacina foi menos eficaz do que as da Pfizer-BioNTech e Moderna na prevenção da infecção entre indivíduos vacinados.

Um representante da Sinopharm desligou o telefone quando foi contactado para comentar pela equipe do New York Times. A equipe da CoronaVac não responderam a um pedido de comentário.

William Schaffner, diretor médico da Fundação Nacional para Doenças Infecciosas da Universidade de Vanderbilt, nos EUA, disse que as taxas de eficácia das vacinas chinesas podem ser baixas o suficiente “para sustentar alguma transmissão, bem como criar doenças em uma quantidade substancial na população altamente vacinada, embora mantém as pessoas longe do hospital. ”

Apesar do aumento de casos, as autoridades de Seychelles e da Mongólia defenderam o uso da Sinopharm, dizendo que ele é eficaz na prevenção de casos graves da doença.

Batbayar Ochirbat, pesquisador-chefe do Grupo de Aconselhamento Científico para Emergências do Ministério da Saúde da Mongólia, disse que a Mongólia tomou a decisão certa ao usar a injeção chinesa, em parte porque ajudou a manter a taxa de mortalidade baixa no país. Dados da Mongólia mostraram que a vacina da Sinopharm na verdade era mais protetora do que as doses desenvolvidas pela AstraZeneca e pela Sputnik, uma vacina russa, segundo o Ministério da Saúde.

O motivo do aumento repentino na Mongólia, disse Batbayar, é que o país foi reaberto muito rapidamente e muitas pessoas acreditaram que estavam protegidas após apenas com uma dose.

“Eu acho que você poderia dizer que os mongóis comemoraram muito cedo”, disse ele. “Meu conselho é que as comemorações devem começar após a vacinação completa, então essa é a lição aprendida. Havia muita confiança.”

Algumas autoridades de saúde e cientistas estão menos confiantes.

Nikolai Petrovsky, professor da Faculdade de Medicina e Saúde Pública da Flinders University, na Austrália, disse que, com todas as evidências, seria razoável supor que a vacina da Sinopharm tiveram efeito mínimo na redução da transmissão. Um grande risco com a inoculação chinesa é que as pessoas vacinadas podem ter poucos ou nenhum sintoma e ainda espalhar o vírus para outras pessoas, disse ele.

“Acho que essa complexidade foi perdida pela maioria dos tomadores de decisão ao redor do mundo.”

Na Indonésia, onde uma nova variante está se espalhando, mais de 350 médicos e profissionais de saúde pegaram Covid-19 recentemente, apesar de terem sido totalmente vacinados com a CoronaVac (da fabricante Sinovac), de acordo com a equipe de mitigação de risco da Associação Médica Indonésia. Em todo o país, 61 médicos morreram entre fevereiro e 7 de junho. Dez deles haviam tomado a vacina chinesa, disse a associação.

Os números foram suficientes para fazer Kenneth Mak, diretor de serviços médicos de Cingapura, questionar o uso da vacina CoronaVac. “Não é um problema associado à Pfizer”, disse Mak em uma entrevista coletiva na sexta-feira (18). “Na verdade, este é um problema associado à vacina CoronaVac.”

Bahrein e os Emirados Árabes Unidos foram os primeiros dois países a aprovar a injeção de Sinopharm, antes mesmo de dados de testes clínicos em estágio final serem divulgados. Desde então, houve extensos relatos de pessoas vacinadas que adoeceram em ambos os países. Em um comunicado, o escritório de mídia do governo do Bahrein disse que o lançamento da vacina do reino foi “eficiente e bem-sucedido até o momento”.

Ainda assim, no mês passado, autoridades do Bahrein e dos Emirados Árabes Unidos anunciaram que ofereceriam uma terceira dose de reforço. As opções: Pfizer ou mais Sinopharm.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.