Guta Stresser revela como se sentiu após diagnóstico de esclerose múltipla: “Me soou aterrorizante”

A atriz Guta Stresser, 49, revelou em depoimento ao jornalista Ricardo Ferraz, da revista “Veja”, como se sentiu após o diagnóstico de esclerose múltipla e como convive com a doença. 

++Joelma cai no palco durante show na Bahia e diz: “A vida é uma coreografia”

A icônica intérprete da Bebel de “A Grande Família”, TV Globo, contou que os primeiros sintomas começaram durante sua participação na competição “Dança dos Famosos”, em 2020. “Parecia tudo normal até que, durante os ensaios, eu passava a coreografia e, quando terminava, não lembrava de mais nada, nada mesmo. Não entendia o motivo, sempre tive facilidade para essas coisas”, disse.

++Após ser flagrada aos beijos com Diego Hypolito, bailarina desmente romance

Stresser relata que aos poucos o quadro foi se agravando. “Comecei a esquecer palavras bem básicas, como copo e cadeira. Se ficava duas horas parada assistindo a um filme na TV, logo sentia dores musculares. Tinha formigamentos frequentes nos pés e nas mãos, enxaquecas fortíssimas e variações de humor. O pior era um zumbido constante no ouvido. Parecia que havia ali um fio desencapado, provocando um curto-circuito na minha cabeça“, relatou a atriz.

A atriz revela que após levar um tombo na sala de sua casa, resolveu procurar um otorrinolaringologista e insistiu em fazer uma ressonância magnética. Feito o exame, recebeu o diagnóstico de esclerose múltipla. “Perdi o chão na mesma hora. Nem sabia direito o que era aquilo, só que afetava o cérebro, e só isso me soou aterrorizante. O médico explicou que se trata de uma doença autoimune em que o próprio corpo ataca a mielina — a camada de gordura que reveste os neurônios e ajuda nas conexões da mente”.

Guta confessa que sentiu muito medo de ficar incapacitada.“Desesperador. Mas, com a ajuda do neurologista, entendi que diagnóstico não é sentença e que, apesar da doença não ter cura, ela tem, sim, tratamento”. Para controlar as crises, a atriz faz uso de um medicamento disponibilizado pelo Sistema Único de Saúde. 

“Sei que vou ter de conviver com a esclerose múltipla para o resto da vida. Que ela seja longa e plena. Cada dia que passa tem aquele gosto de uma pequena vitória”, afirmou.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.

Não deixe de curtir nossa página  no Facebook  , no Twitter e também no Instagram para mais notícias do PaiPee.