Julgamento de Trump: tabloide comprava e ‘matava’ histórias que prejudicava ex-presidente, afirma Promotoria

39

O processo criminal em que o ex-presidente dos Estados Unidos Donald Trump é réu entrou no segundo dia de apresentação de argumentos e testemunhas, nesta terça-feira (23), com o depoimento de um ex-diretor do tabloide sensacionalista “National Enquirer”.

++ ‘Lua Cheia Rosa’ poderá ser vista no Brasil

Com isso, oex-presidente, candidato à Casa Branca novamente neste ano, é acusado de fraude eleitoral nas eleições de 2016 ao tentar esconder do público os encontros intimos que ele supostamente teve com Stormy Daniels durante a campanha presidencial daquele ano. A defesa de Trump disse que ele não cometeu nenhum crime.

Vale lembrar que esse é o primeiro julgamento criminal em que um ex-presidente dos EUA é réu. Trump é acusado de falsificar registros comerciais para encobrir um pagamento de US$130 mil à estrela pornô Stormy Daniels em 2016 para manter em segredo um encontro sexual que ela afirma ter tido 10 anos antes. Trump se declarou inocente e negou que o encontro tenha ocorrido.

O promotor Matthew Colangelo afirma que houve uma “conspiração planejada, coordenada e de longa duração” para influenciar as eleições de 2016, para ajudar Trump a ser eleito por meio de despesas ilegais para silenciar pessoas que tinham algo ruim a dizer sobre seu comportamento. Foi fraude eleitoral, pura e simples”.

Assim, a primeira testemunha foi justamente um ex-executivo do tabloide sensacionalista “National Enquirer”, David Pecker. O depoimento dele será retomado nesta terça.

No primeiro dia de depoimento, Pecker falou sobre como funciona o negócio: o “National Enquirer” pagava por reportagens com frequência, e ele precisava autorizar todos os pagamentos acima de US$10 mil (R$51.673).

++ TikTok afirma que que projeto aprovado pela Câmara dos EUA fere liberdade de expressão

Dessa forma, os promotores afirmam que em 2016, durante as eleições presidenciais, Pecker participou de um esquema para “pegar e matar” histórias que poderiam prejudicar Donald Trump.

Ou seja: o jornal pagava dinheiro para obter exclusividade sobre pessoas que tinham histórias negativas contra Trump. Essas pessoas assinaram um contrato com a “National Enquirer”. Como a publicação tinha um acordo para proteger Trump, as histórias nunca foram publicadas.

Segundo os promotores, o diretor Pecker se reuniu em 2015 com Trump e o advogado dele da época, Michael Cohen. Nesse encontro ficou estabelecido que o jornalista seria “os olhos e ouvidos” da campanha para descobrir histórias negativas que pudessem prejudicar o candidato eleitoralmente.

“Pecker não estava agindo como um publisher, ele estava agindo como um conspirador”, afirmou o promotor. Apesar dessa fala, o jornalista não foi acusado de nenhum crime.

O esquema veio à tona na imprensa americana em 2018.

Não deixe de curtir nossa página no Facebook , no Twitter e também no Instagram para mais notícias do PaiPee.