Conheça o Cessna 550, modelo de avião que caiu na Bahia vitimando Tuka Rocha, Maysa Mussi e Marcela Elias

Um trágico acidente aéreo ocorrido no último dia 14 vitimou até o momento 3 dos 10 passageiros que estavam a bordo. Na manhã deste domingo (17), foi confirmada a morte de Tuka Rocha, profissional com longa passagem pela Stock Car. O piloto não resistiu aos ferimentos sofridos durante acidente aéreo no sul da Bahia, em Maraú. Atendido com 80% do corpo queimado e complicações pulmonares, Tuka de 36 anos morreu em Salvador.

Na noite deste sábado, 16, em Salvador, a segunda vítima do acidente com o jato que caiu em Barra Grande, na Bahia, Maysa Marques Mussi, de 27 anos, veio também a falecer. Ela estava internada no Hospital Geral do Estado (HGE), na capital baiana, depois de ter sido transferida do Hospital do Subúrbio, onde estava internada desde o dia do acidente. A informação foi confirmada pela Secretaria da Saúde do Estado da Bahia (Sesab).

O acidente já havia causado a morte da irmã de Maysa, a jornalista Marcela Brandão Elias, de 37 anos, nora do decorador Jorge Elias. O corpo dela, que ficou carbonizado, foi levado ao Departamento de Polícia Técnica (DPT) de Ilhéus.

Mas qual era o modelo da aeronave que transportava a todos no momento da queda?

O modelo Cessna Citation 550 é um avião bimotor de classe executiva considerado de médio porte, com motorização turbofan e alcance de 2,1 mil quilômetros tem capacidade para transportar confortavelmente sete ou oito passageiros.

O Cessna Citation 550 é considerado um clássico da aviação executiva, uma aeronave confortável e com capacidade para transportar até sete ou oito passageiros em viagens interestaduais e, em vários casos, até internacionais dentro de um mesmo continente. A maioria das unidades fabricadas nas décadas de 1970, 1980 e 1990 está bem conservada e em condições de voo.

Criado, desenvolvido e fabricado nos Estados Unidos a partir da década de 1970 pela Cessna Aircraft, que utilizou como base para sua criação e desenvolvimento o modelo de jatinho executivo Cessna Citation I, do mesmo fabricante.

Os principais concorrentes do Cessna Citation 550 são os jatos executivos de médio porte Learjet 25Learjet 35 e Mitsubishi MU-300 Diamond. Já o modelo de jato executivo de médio porte Beechjet 400A está na mesma categoria ou faixa de tamanho e alcance do Cesna Citation 550.

A Cessna Aircraft é uma das maiores e mais tradicionais fabricantes de aeronaves executivas do mundo. O portfólio de produtos dela é amplo, vai desde pequenos e extremamente econômicos monomotores a pistão, como o Cessna 172 Skyhawk, por exemplo, até sofisticados jatos executivos bimotores de alta performance, de porte médio e alcance intercontinental, como o Cessna Citation Longitude.

Aeronave caiu em Maraú, na Bahia (Foto: DIvulgação)

Ela é propriedade da holding americana de indústria aeronáutica Textron Company, que controla também outras grandes e tradicionais fabricantes, como a Beechcraft Corporation, que fabrica o Beechcraft King Air, por exemplo, e a Lycoming Engines, que fabrica o motor aeronáutico a pistão Lycoming IO540, por exemplo.

Ele não está na sofisticada categoria de jatos executivos intercontinentais de médio porte, mas pode ser considerado uma opção bastante razoável e até um pouco refinada e luxuosa de avião para quem precisa viajar dentro de um mesmo continente, em rotas interestaduais e internacionais. Ele tem cabine de passageiros pressurizada; trem de pouso retrátil; toalete básico no fundo da cabine de passageiros; galley na parte da frente da fuselagem, ao lado da porta principal de saída, para refeições rápidas e bebidas; corredor central na cabine de passageiros para facilitar o acesso dos passageiros aos assentos, ao toalete e à galley; ar condicionado (só funciona quando os motores estão ligados); e luzes de leitura para os passageiros; entre vários outros itens de conforto.

O avião bimotor Cessna 550 transportava amigos e parentes para um final de semana na Bahia. A bordo estavam: Eduardo Trajano Elias (filho da Lucila e do Jorge, o viúvo), Marcela Brandão Elias (vítima fatal) o filho deles, Eduardo Brandão, de 6 anos, Tuka Rocha (ex piloto de stockcar, ainda em estado grave), Maysa Mussi, Eduardo Mussi (irmão do deputado Guilherme Mussi), Cristiano Rocha, Marcelo Constantino Alves, Marie Cavelan, Fernando Oliveira e o piloto da aeronave, Aires Napoleão Guerra.

Feridos

Além das três mortes, sete ocupantes da aeronave ficaram feridos e estão internados em hospitais de Salvador. São eles:

  • Aires Napoleão, de 66 anos, que pilotava o jato
  • Fernando Oliveira Silva, de 26 anos,
  • Marcelo Constantino, de 28 anos, neto do Nenê Constantino, fundador da Gol
  • Marrie Cavelan, de 27 anos
  • Eduardo Mussi, irmão do deputado licenciado Guilherme Mussi
  • Eduardo Trajano Telles Elias, de 38 anos, que era casado com Marcela Brandão Elias
  • Eduardo, de 6 anos, filho de Eduardo e Marcela

INVESTIGAÇÕES SOBRE A CAUSA DO ACIDENTE

O acidente ocorreu pouco depois das 14h da quinta-feira, em uma pista de pouso no distrito de Barra Grande, que pertence a Maraú, segundo informações da assessoria de comunicação da prefeitura.

O jato executivo decolou do aeródromo de Jundiaí (SP), às 11h, com destino ao município baiano, segundo informações da Voe SP, que administra o terminal, e da Força Aérea Brasileira (FAB).

Conforme registro da Agência Nacional de Aviação Civil (Anac), a aeronave, um bimotor Cessna C550 fabricado em 1981, de prefixo PT- LTJ, estava em situação regular.

O acidente aéreo é apurado pelo Segundo Serviço Regional de Investigação e Prevenção de Acidentes Aeronáuticos (Seripa II), da Aeronáutica. Militares do órgão estiveram no local do acidente, na sexta-feira, para coletar dados que possam auxiliar nas investigações que vão apontar as causas da queda. Não há previsão para que a apuração seja concluída.

Os destroços do jato foram retirados do local do acidente neste sábado, segundo informações da secretária de Turismo do município, Nilza Costa.