Primo da Rainha Elizabeth II, príncipe nega acusações de venda de acesso a Putin

O príncipe Michael de Kent, primo da Rainha Elizabeth II, foi acusado de oferecer acesso ao presidente da Rússia, Vladimir Putin, em troca de dinheiro. Segundo reportagem investigativa da imprensa britânica, o príncipe estaria disposto a utilizar sua influência como membro da realeza para auxiliar no regime de Putin. O príncipe Michael nega as acusações.

+ Comentarista da Band, Denílson nega briga com Neto, mas diz não querer convívio

Em um comunicado, o porta-voz do príncipe alegou que o marquês de Reading “fez insinuações que o príncipe Michael não teria desejado ou não seria capaz de cumprir”. O marquês, Simon Isaacs, afirmou que o primo da rainha seria “o embaixador não oficial de Sua Majestade na Rússia”.

Em uma reunião, repórteres disfarçados de investidores da Coreia do Sul receberam a proposta de serviços confidenciais do príncipe por 50 mil libras esterlinas, caso fosse necessária uma viagem à Rússia. Já por um discurso de apoio direto de sua residência, no Palácio de Kensington, foi cobrado o valor de US$ 200 mil.

Os jornalistas foram informados por Isaacs de que a conversa era sigilosa. O marquês declarou que o envolvimento do príncipe com o presidente russo não poderia ser descoberto. “Não queremos que o mundo saiba que ele está encontrando com Putin apenas por motivos comerciais”, disse.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.