#Fake: pai de presidente da OAB não foi executado por companheiros na ditadura

“Confirmado!!! Pai do presidente da OAB foi executado pelos próprios comparsas após ter sido liberado pelo DOI-CODI-RJ”

A informação é #Fake!

Nesta terça-feira (30), circula pelas redes sociais uma publicação com a afirmação de que Fernando Augusto Santa Cruz Oliveira, o pai de Felipe Santa Cruz, que é o atual presidente nacional da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB), foi morto por seus companheiros durante a ditadura.

Ele chegou a integrar a Ação Popular (AP) e também a Ação Popular Marxista Leninista (APML), duas organizações de esquerda que lutaram fortemente contra o regime militar. A informação é falsa! Fernando Augusto de Santa Cruz Oliveira foi morto por agentes a serviço do Estado, depois de ser detido no Rio de Janeiro, supostamente em 23 de fevereiro de 1974. O atestado de óbito de Oliveira foi emitido pela Comissão Especial sobre Mortos e Desaparecidos Políticos, vinculada ao Ministério da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, no dia 24 de julho deste ano.

A história de Oliveira foi descrita no relatório final produzido pela Comissão Nacional da Verdade (CNV), no governo Dilma Rousseff (PT), com o objetivo de investigar os casos de mortes e desaparecimentos de militantes durante a ditadura. Uma versão resumida sobre o que aconteceu com o pai do presidente da OAB está disponível no site Memórias da Ditadura, sendo que a família o viu pela última vez em 23 de fevereiro de 1974, durante o Carnaval.

Na época, o governo informou que Oliveira estava foragido e tinha passado a viver na clandestinidade. Em 1978, um documento secreto do Ministério da Aeronáutica afirma, contudo, que ele foi preso em 22 de fevereiro de 1974, o que comprova que o seu desaparecimento ocorreu sob tutela do Estado.