Mayra desmente Pazuello e diz que Tratcov não foi hackeado: “Foi uma extração indevida de dados”

Nesta terça-feira (25), em depoimento à CPI da Covid, Mayra Pinheiro, secretária de Gestão do Trabalho e da Educação da Saúde , afirmou que o aplicativo Tratcov não foi hackeado, como o ex-ministro Eduardo Pazuello tinha alegado ao senado. 

+UFMS desmente corte de 2 mil bolsas de assistência estudantil

O aplicativo, que recomendava o uso de cloroquina para o tratamento de Covid-19, em tese, tinha como objetivo auxiliar no diagnóstico médico da doença durante o colapso da saúde no Amazonas no início de 2021. Mayra e Pazuello anunciaram juntos o lançamento da aplicação em Manaus, de forma não oficial, no dia 11 de janeiro. A plataforma não foi ao ar, porque, de acordo com a secretaria, um jornalista teve acesso aos dados de forma indevida.

“Ele não conseguiu, o sistema é seguro, ele não conseguiu hackear. Hackear é quando você usa a senha de alguém, entra dentro de uma plataforma de um sistema, e já tivemos sistemas do governo que foram hackeados. Foi uma extração indevida de dados, não é hackeamento o termo”, afirmou.

Conteúdo de fact-checking do PaiPee.